Moradores da região de Vista Alegre do Abunã (RO), distrito de Porto Velho distante cerca de 260 km da capital, fecharam a BR-364 no final da tarde da terça-feira (15). A rodovia é uma das principais rotas de acesso ao Acre. Na madrugada desta quarta-feira (16), os manifestantes liberaram a pista, mas após desentendimentos com caminhoneiros a via foi fechada novamente.

Segundo o madeireiro e morador do local, Wagner Martins, as reinvindicações são em prol de melhorias na saúde, e ônibus escolares para as áreas rurais. O manifestante também fala sobre regularização fundiária para a classe madeireira e agrícola.

“Aqui não tem ambulância, não tem hospital, não tem pronto-socorro, não tem nada”, diz o madeireiro Wagner.

Wagner também afirma que em operações realizadas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e pela Secretaria de Estado do Desenvolvimento Ambiental (Sedam), maquinários utilizados em serrarias estavam sendo retirados do local e queimados.

“Nossa localidade vem sendo massacrada com inúmeras operações há vários anos pelos órgãos Ibama e Sedam, fazendo com que o comércio esteja um caos. Eles prenderam uma carga aqui e levaram para Rio Branco [AC]. A madeira que é apreendida em Vista Alegre tem que ficar em benefício de Vista Alegre, e não ser levada para Rio Branco que é em outro estado”, reclama Wagner.

Manifestação em Vista Alegre do Abunã gera congestionamento no tráfego (Foto: PRF/ Divulgação)

Segundo os manifestantes, a via só deve ser liberada após a presença de representantes do Governo de Rondônia.

Comentarios

Comentarios