A passagem do Palmeiras por Buenos Aires pode ter sido determinante para a sequência da equipe na temporada. Se o Verdão chegou à Argentina pressionado e até com cobranças de alguns torcedores, com certeza o elenco retorna ao Brasil nesta quinta-feira fortalecido pela vitória por 2 a 0 e, principalmente, pela boa atuação contra o Boca Juniors, na Bombonera. E, claro, também pela classificação antecipada para as oitavas de final da Libertadores.

Antes de entrar no mérito de ser o primeiro time do torneio a ter a vaga assegurada para a próxima fase, o Palmeiras de Roger Machado teve um desempenho seguro o suficiente para devolver aos atletas a confiança que vinha abalada desde a perda do título do Campeonato Paulista.

Contra um adversário forte e tradicional, o Verdão transformou a pressão da torcida argentina em silêncio, e viu a festa dos dois mil palmeirenses no estádio com um jogo muito acima da média.

Torcida do Boca Juniors vai embora antes do jogo terminar na Bombonera

Taticamente, os palmeirenses souberam anular os pontos fortes do Boca, o que se resumiu praticamente aos avanços de Pavón pelo lado direito da defesa alviverde. Quando precisou, Jailson mostrou segurança para garantir a invencibilidade.

Questionado pelo desempenho nos jogos decisivos no Paulistão, Lucas Lima foi decisivo. O meia já havia atuado bem contra o Internacional, no último domingo, mas, na Argentina, ele foi fundamental ao dar tranquilidade ao time com um belo gol por cobertura, após grande vacilo da defesa do Boca.

Melhores Momentos: Boca Juniors 0x2 Palmeiras, pela Libertadores

Melhores Momentos: Boca Juniors 0x2 Palmeiras, pela Libertadores

Em entrevista coletiva logo após a partida, Roger Machado destacou que individualmente muitos jogadores foram acima da média.

Além de a defesa ter suportado os cruzamentos para a área, Felipe Melo e Bruno Henrique trabalharam com eficiência na marcação e com muita importância na saída de jogo. No ataque, Borja participou da marcação e da criação das jogadas, enquanto Keno foi decisivo.

A boa vitória na Argentina dá ao Palmeiras a tranquilidade em todas os setores. Da comissão técnica, que vem sofrendo com a sequência de jogos antes da Copa, ao capitão Dudu, que sofreu com protestos nos últimos dias, e até ao presidente Maurício Galiotte, que vê sua diretoria travar briga nos bastidores com a Federação Paulista de Futebol e o TJD, ainda por causa do Paulistão.

Keno cabeceia para abrir o placar para o Palmeiras na Bomboneira (Foto: Cesar Greco / Ag. Palmeiras)

Keno cabeceia para abrir o placar para o Palmeiras na Bomboneira (Foto: Cesar Greco / Ag. Palmeiras)

Com dez pontos, o Verdão terá mais dois jogos na primeira fase da Libertadores: Alianza Lima, no Peru, no dia 3 de maio, e Junior Barranquila, em casa, no dia 16. Em jogo, apenas a primeira colocação do grupo – os palmeirenses precisam de mais um triunfo para garantirem a liderança isolada sem depender de outros resultados.

A folga na competição sul-americana dá mais segurança para o time se focar em uma arrancada no Campeonato Brasileiro. Roger Machado já afirmou que as 12 primeiras rodadas do torneio podem ser determinantes para os candidatos ao título. No domingo, o rival será a Chapecoense, na arena.

Comentarios

Comentarios