Mano nega atrito com Fred no passado e planeja novo estilo de jogo para o Cruzeiro

146

Fred + 10. É assim que o Cruzeiro vai iniciar a temporada em 2018. Camisa 9 nato, o atacante chega para suprir uma das carências do time no ano passado: o poder de definição. Na última temporada, muitas vezes, devido a saídas e contusões, o técnico Mano Menezes precisou improvisar jogadores no setor. Se a bola chegar e Fred, dificilmente, ele perde o gol. Porém, para isso acontecer, a equipe vai ter que mudar o estilo de jogo. Essa é a intenção do treinador.

Mano Menezes pretende mudar o estilo de jogo do Cruzeiro em 2018 (Foto: Gabriel Duarte)

Mano Menezes pretende mudar o estilo de jogo do Cruzeiro em 2018 (Foto: Gabriel Duarte)

– Ainda não posso falar (o que vou mudar). Porque ainda são intenções. Técnicos vivem de teoria, que podem se tornar prática depois. Agora, temos algumas ideias, e o jogadores (contratados) foram pensados para essas ideias. Tem a ver com um centroavante de área, que muda a construção da jogada. Muitas vezes no ano passado, o Cruzeiro precisou de um jogador mais de movimentação porque precisa construir a jogada. Então, se nós contratamos um jogador que é um 9, vamos ter que construir a jogada diferente para esse jogador.

Até agora, além de Fred, o Cruzeiro contratou os laterais-esquerdo Egídio e Marcelo Hermes, o lateral-direito Edílson, o meio-campista Bruno Silva e o atacante David. Nas oportunidades que teve de falar sobre os reforços, Mano destacou o poder de chegada ao ataque dos jogadores. Isso ajudaria, na teoria, nas construções da jogada até os pés do camisa 9.

Fred se apresentou na Toca da Raposa nessa quarta-feira (Foto: Gabriel Duarte)

Fred se apresentou na Toca da Raposa nessa quarta-feira (Foto: Gabriel Duarte)

– Fred tem uma característica muito marcante, de área. Um dos maiores definidores do futebol brasileiro. Média de 30 gols. Para nos tornarmos equipe de ponta, temos que marcar de 80 a 100 gols, alguém tem que fazer esses gols. Temos que encontrar jogadores que façam isso. Entendo a repercussão maior, pela rivalidade, logicamente, o que é normal.

Atrito? Que nada

Mano e Fred voltaram a se encontrar, num mesmo grupo, após a passagem de ambos pela seleção brasileira. Em 2012, porém, eles tiveram uma “rusga”. O atacante chegou a reclamar publicamente do treinador, à época no comando do Brasil. Na opinião do jogador, Mano não gostava da característica dele. Após ser chamado para a disputa da Copa América (em 2011), Fred perdeu espaço e deixou de ser convocado.

– Nem penso em seleção enquanto o Mano estiver lá. Desde o jogo contra o México que não tinha centroavante para jogar e ele colocou o Lucas para jogar de centroavante, de costas, e fiquei no banco e nem entrei, ali vi que o Mano não gosta do meu trabalho. Sou atacante, vivo de gols, estou fazendo gols. Não sei o que mais ele quer, mas respeito. Mas enquanto ele estiver na Seleção, não crio expectativa – disse, em agosto de 2012.

Fred:''Não penso em Seleção, enquanto o Mano estiver lá''

Fred:”Não penso em Seleção, enquanto o Mano estiver lá”

Perguntado sobre o assunto, Mano negou atrito e até falou com bom humor sobre a situação. Além disso, rasgou elogios a Fred e destacou a personalidade do atacante, que gosta de opinar e falar sempre o que pensa.

– Não. Ele estava enganado. Eu gosto de jogadores da característica dele. Acho fundamental, por exemplo, para um tipo de disputa de Libertadores ter um jogador de área, que define as jogadas. O Cruzeiro tem um time propício para o Fred. Nós criamos muito durante a temporada passada. Em determinados momentos, faltou esse jogador para finalizar bem essa jogada. Vocês sabem que fazem brigas que não existem. E essa é mais uma. O Fred é um jogador de opinião, o que fez certamente dele um grande jogador brasileiro na posição. Às vezes, a opinião não agrada a todo mundo. Mas eu prefiro jogador de opinião. Prefiro o Fred do jeito que ele é. Ele vai ser importante exatamente por ser desse jeito.

Comentarios

Comentarios