Cerca de 160 estudantes brasileiros na Bolívia caem em golpe de agência...

Cerca de 160 estudantes brasileiros na Bolívia caem em golpe de agência de viagens

by -
0 24

Cerca de 160 brasileiros residentes em Cochabamba na Bolívia, que compraram passagens com a empresa “Viccio Tours”, afirmam terem sido vítimas de um golpe de da agencia de viagens. Ao tentarem remarcar suas passagens, ou tirar dúvidas relacionadas à companhia aérea pela qual viajariam, perceberam que não havia nada em seus nomes.

Os brasileiros vítimas do suposto golpe, muito deles universitários jaruenses, relataram que compraram suas passagens (alguns com vôos internacionais e muitos até 5 a 7 passagens de uma vez, para toda a família) não conseguiram resgatar as mesmas.

De acordo com as vítimas o proprietário da Viccio Tours, Jhonny Richard Soto Pinto, teria comprado mais de 160 passagens durante o período de algumas semanas, e em seguida, após enviar o comprovante para os clientes, cancelou o pedido das mesmas.

Os brasileiros relatam que já tentaram registrar boletim de ocorrência na polícia da Bolívia, sem sucesso. Questionados como era o processo da compra e entrega de passagens, fomos informados que normalmente ele realizava as reservas por messenger ou whatsapp e o pagamento se dava no momento em que ele entregava as passagens, muitas vezes ele deixava na residência dos clientes.

As pessoas lesadas criaram um grupo no whatsapp, onde trocam informações e prints das conversas com o dono da empresa, na maioria das conversas ele promete devolver o dinheiro, mas as mesmas não acreditam, já que ele agiu de má fé, quando cancelou as passagens após o pagamento.

Ninguém sabe onde o proprietário da agencia se encontra, e esperam a solução do caso pela polícia brasileira, o mais breve possível, já que na polícia boliviana não conseguiram resolver.

De acordo com informações a agencia de viagens teria sido descredenciada e fechou as portas devendo aluguel e inúmeras outras despesas.

Abaixo você confere alguns prints de conversas de Jhonny com algumas vítimas.

.
.
.

NO COMMENTS

Leave a Reply