Manifestantes a favor e contra o impeachment montaram acampamento na noite deste domingo (10) em áreas próximas à Esplanada dos Ministérios, seguindo a indicação da Secretaria de Segurança Pública de onde cada grupo pode ocupar durante a votação do processo na Câmara dos Deputados. A previsão é que a análise ocorra no próximo fim de semana. Alambrados foram erguidos por detentos do regime semiaberto para evitar que pessoas com orientações contrárias possam se ver, minimizando as chances de conflitos.

Movimentos sociais contrários ao impeachment ocuparam o estacionamento do Teatro Nacional. Eles chegaram em 20 ônibus, e as caravanas são equipadas com barracas e comida. O grupo estendeu faixas de apoio à presidente, com a mensagem “vai ter luta, não vai ter golpe”. Os representantes não quiseram dar entrevista.

Manifestantes contrários ao impechment montam acampamento no Teatro Nacional de Brasília (Foto: Mateus Rodrigues/G1)Manifestantes contrários ao impechment montam acampamento no Teatro Nacional de Brasília (Foto: Mateus Rodrigues/G1)

Militantes que querem a saída da presidente Dilma Rousseff montaram estruturas no Parque Ana Lídia, no Parque da Cidade – a cerca de dois quilômetros da Esplanada. Eles dizem que até receberam doações para se manterem no lugar. Até a manhã desta segunda (11), o acampamento pró-impeachment reunia 25 pessoas no Parque da Cidade, a cerca de 2 quilômetros da Esplanada dos Ministérios.

Um dos organizadores, o professor de filosofia Allan dos Santos diz ter se demitido de uma escola no Rio Grande do Sul para vir ao protesto. “Estamos aqui para tirar a presidente Dilma do poder, tendo em vista que a corrupção é apenas um instrumento que eles usam para instalar o comunismo no país”, disse.

Grupos a favor do impeachment em acampamento no Parque da Cidade, em Brasília (Foto: Mateus Rodrigues/G1)Grupos a favor do impeachment em acampamento no Parque da Cidade, em Brasília (Foto: Mateus Rodrigues/G1)

A expectativa do grupo é reunir milhares de pessoas no acompanhamento are a próxima sexta (15). Os manifestantes pretendem contestar o esquema de segurança anunciado pelo GDF na Justiça. Segundo eles, o espaço foi reservado por movimentos pró-impeachment e não poderia receber atos contrários.

“Vamos entrar com um mandado de segurança. A secretária de Segurança insiste em manter grupos antagônicos no mesmo local, sendo que nós protocolamos primeiro”, completou Santos.

Força Nacional acompanha a montagem do acampamento no estacionamento do Teatro Nacional (Foto: Fernando Caixeta/G1)Força Nacional acompanha a montagem do acampamento no estacionamento do Teatro Nacional (Foto: Fernando Caixeta/G1)

A Força Nacional e a Polícia Militar acompanham ambos os acampamentos. O esquema foi anunciado neste sábado. Balões aéreos de identificação dos movimentos e bonecos considerados ofensivos e provocativos, independentemente do tamanho, estão proibidos. A secretária de Segurança Pública, Márcia de Alencar, informou que a Força Nacional ajudará a evitar conflitos entre os grupos.

As zonas para os manifestantes estarão separadas por um corredor de 80 metros de largura por um quilômetro de comprimento, extensão que vai da Catedral ao Congresso Nacional. A passagem será de trânsito exclusivo das forças de segurança e será guarnecido por policiais militares encarregados de impedir que um grupo invada o espaço reservado ao outro

Os manifestantes a favor do impeachment ficarão em um ponto de concentração próximo à Catedral Metropolitana (do lado do Eixo Monumental que fica no sentido do Congresso) e por isso só podem estacionar na Asa Sul. Os contra, perto do Teatro Nacional (do lado do Eixo Monumental no sentido contrário ao Congresso), e por isso só podem estacionar na Asa Norte. Policiais militares “filtrarão” os manifestantes a partir do dia 15, indicando para onde devem se direcionar.

Também na sexta-feira haverá o bloqueio do trânsito de veículos no Eixo Monumental entre a Rodoviária do Plano Piloto e o balão do Presidente. De acordo com o plano operacional, a área que compreende a Praça dos Três Poderes, o Congresso Nacional, o Supremo Tribunal Federal, o Palácio do Planalto, o Itamaraty e o Ministério da Justiça estarão restritos para o trânsito das forças de segurança. Assim, as duas áreas reservadas para os manifestantes estão limitadas até a Alameda dos Estados.

Mapa mostra divisão de grupos contra e favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff durante votação do processo (Foto: Secretaria de Segurança Pública do DF/Divulgação)Mapa mostra divisão de grupos contra e a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff durante votação do processo (Foto: Secretaria de Segurança Pública do DF/Divulgação)

“Estamos seguros que essa distribuição geográfica é a mais racional e a que oferece melhores condições de operacionalidade para as forças de segurança”, afirmou a secretária. “É importante que todos sigam as orientações do efetivo que estará na Esplanada para que seja garantido um clima de paz”, completou o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Marcos Antônio Nunes de Oliveira.

Todo o efetivo da Polícia Militar, da Polícia Civil e do Corpo de Bombeiros está de prontidão para atuar nos dias de votação. O planejamento prevê a presença de cerca de 3 mil policiais militares e de 500 bombeiros só na Esplanada a partir de sexta. A quantidade pode ser aumentada rapidamente em caso de necessidade.

COMISSÃO DO IMPEACHMENT
Deputados discutem e votam relatório

A Polícia Civil terá 700 agentes por dia atuando nas manifestações e em ações ordinárias, e 50 agentes do Detran farão o controle das vias. “É importante frisar que a segurança das outras regiões do Distrito Federal será mantida normalmente na semana e nos dias da votação do impeachment”, afirmou Márcia.

Montagem do alambrado
Detentos do Centro de Prisão Provisória (CPP) participaram na manhã deste domingo (10) da montagem do alambrado que vai separar os grupos pró e contra impeachment durante a votação do processo. De acordo com a Polícia Militar, que acompanha a preparação, 30 presidiários do regime semiaberto fizeram o serviço. A expectativa do governo é de que 300 mil pessoas cheguem à Esplanada dos Ministérios entre os dias 15 e 17 de abril.

Para esta segunda não há previsão de bloqueios. De acordo com a secretaria, medidas necessárias para garantir a separação serão tomadas de acordo com avaliação do Centro Integrado de Comando e Controle Regional (CICCR). O órgão estará funcionando em regime integral para que os titulares das forças de segurança acompanhem a movimentação na área da Esplanada dos Ministérios para a tomada de decisões em tempo real.

“Temos consciência da importância deste momento histórico e trabalhamos no sentido de dar todas as condições necessárias para que as pessoas exerçam seu direito à livre manifestação sem colocar em risco a vida dos cidadãos e a integridade do patrimônio tombado”, afirma a secretária de Segurança.

Detentos participam de montagem de alambrado que vai separar grupos pró e contra impeachment durante votação do processo  (Foto: Polícia Militar/Divulgação)Detentos participam de montagem de alambrado que vai separar grupos pró e contra impeachment durante votação do processo (Foto: Polícia Militar/Divulgação)

Análise e votação
A análise do processo de impeachment pelo plenário da Câmara dos Deputados deve começar na próxima sexta-feira (15). A votação está prevista para o domingo (17). Todos os 25 partidos políticos com representação na Casa terão direito a uma hora de pronunciamentos no plenário. Os servidores deverão acessar a Casa pelo Anexo IV.

Apenas deputados, servidores, jornalistas credenciados e prestadores de serviço poderão entrar nas dependências da Câmara entre os dias 14 e 21 de abril. A decisão de restringir o acesso, segundo a direção da Câmara, foi tomada por questões de “segurança e proteção das pessoas e do patrimônio físico, histórico e cultural da instituição”.

A Mesa Diretora da Casa vai distribuir uma credencial específica para que o grupo possa circular pelo Salão Verde e entrar no plenário no período. Visitas institucionais às dependências do prédio estão suspensas entre esta segunda-feira (11) e o dia 21 de abril, assim como as sessões solenes e outros eventos que seriam realizados no período.

Principais pontos do planejamento operacional
– A Esplanada dos Ministérios será compartilhada entre os grupos a favor e contra o impeachment, mas haverá isolamento feito por alambrados e linhas de policiamento para que os dois grupos não se misturem;

– O grupo pró-impeachment ficará à direita do Congresso Nacional e terá como ponto de concentração o Museu da República. O grupo contrário ao impeachment ficará à esquerda do Congresso Nacional e terá como ponto de concentração o Teatro Nacional;

– Haverá um corredor de 80 metros de largura e um quilômetro de extensão, separando as áreas delimitadas para os dois grupos. Ao longo desse corredor, será permitido o trânsito apenas das equipes de segurança pública;

-A área permitida para manifestações só vai até a Alameda dos Estados. A área que compreende a Praça dos Três Poderes, o Congresso Nacional, o Supremo Tribunal Federal, o Palácio do Planalto, o Itamaraty e o Ministério da Justiça é considerada de segurança nacional e estará isolada para uso exclusivo das equipes de segurança pública;

– Não serão permitidos acampamentos na área da Esplanada dos Ministérios ou em suas adjacências;

– A partir da Rodoviária do Plano Piloto, os policiais militares farão orientações para que os manifestantes sigam as áreas delimitadas de acordo com seus posicionamentos políticos;

– Os manifestantes que forem ao local de carro devem optar por estacionamentos nos anexos dos Ministérios, seguindo a lógica de manifestantes pró-impeachment no lado sul e contrários, no lado norte;

– Haverá linhas de revista tanto na área destinada ao grupo pró-impeachment, quanto na área destinada ao grupo contrário ao impeachment;

– No dias 11, 12, 13 e 14, as medidas de separação e de interdição de trânsito serão tomadas de acordo com avaliações de cenário;

– O trânsito será interditado em toda a área da Esplanada dos Ministérios a partir de meia-noite de sexta-feira (15), a abertura das vias dependerá de avaliações de cenário.

Orientações para os manifestantes
– Não será permitido portar objetos cortantes, garrafas de vidro, hastes de madeira ou fogos de artifício;

– Não será permitido usar máscaras ou cobrir o rosto com lenços ou bandanas;

– Não será permitido estacionamento ao longo das vias;

– Não será permitida a venda de bebidas alcoólicas;

– Não é recomendado que pais levem crianças, mas, caso seja a decisão dos responsáveis, é necessário que elas estejam identificadas e, em hipótese alguma, sejam submetidas a situações de risco;

– Também não é recomendado que idosos ou pessoas com problemas cardiovasculares estejam no local de grande aglomeração.

Regras para as manifestações
– Megafones serão recolhidos;

– Instrumentos musicais serão permitidos para emissão de som. Se utilizados para finalidade diversa, poderão ser recolhidos;

– Faixas e bandeiras poderão ser manualmente portadas, sem hastes, e poderão ser fixadas ao longo dos alambrados de divisão das áreas;

– Balões aéreos, de identificação dos movimentos, e bonecos e/ou símbolos provocativos ou ofensivos estão proibidos, independemente do tamanho;

– Carros de som serão permitidos em pontos específicos: um no Museu da República, um no Estacionamento do Teatro Nacional, um na via S1 na altura da Alameda das Bandeiras e um na via N1 na altura da Alameda das Bandeiras;

– Carros de som localizados na Alameda das Bandeiras serão controlados pela Polícia Militar e pela Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social para informes oficiais periódicos, informes parciais e orientações. Interlocutores dos grupos serão cadastrados pelo governo de Brasília e poderão subir nesses carros de som apenas para dar orientações, palavras de ordem e de comando aos manifestantes. Serão cadastrados como interlocutores quatro representantes de cada grupo, num total de oito pessoas.

Comentarios

Comentarios