Estudante de RO morre na Bolívia e família pede ajuda para fazer traslado

Natacha Vitória Gomes da Silva, de 20 anos, foi diagnosticada com trombose e teve morte cerebral. Parentes pedem ajuda nas redes sociais.



Familiares da jovem Natacha Vitória Gomes da Silva, de 20 anos, rondoniense que estava no 6º período de medicina na Bolívia e morreu nesta semana, pedem ajuda para conseguir o dinheiro do traslado do corpo a Ariquemes (RO), no Vale do Jamari (veja conta para doações ao fim desta reportagem).

Natacha foi diagnosticada com trombose em uma região do cérebro e teve morte cerebral. A família pede doações pelas redes sociais para trazer o corpo de volta ao Brasil e quitar as despesas do hospital em Cochabamba, onde a jovem seguia internada em estado grave.

“Faleceu na Bolívia devido a uma trombose cerebral, estudante de medicina, família simples e tradicional aqui de Ariquemes, pessoas boas que perderam uma filha e nesse momento precisam muito de nós, de nosso apoio e de nossa ajuda”, disse um usuário no Facebook.

Segundo a tia paterna da jovem, Marta da Silva, Natacha foi ao médico na semana passada devido a fortes dores na cabeça. A menina ainda passou por cirurgia e estava em observação médica na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do hospital.

“Toda a parte paterna da família da Natacha, que é a minha, tem problema com trombose. Ela nunca tinha sentido nada. Na quinta-feira passada ela começou a passar mal e na segunda (18) foi declarada a morte cerebral dela. Ontem (terça-feira) foram desligados os aparelhos”, explicou.

Marta contou que a família da estudante é humilde e que foi preciso vender o único carro que usa para pagar os custos. Nessa venda, os parentes conseguiram R$ 30 mil.

Do dia 14 de novembro (dia que Natacha deu entrada no hospital) até a última segunda-feira (18), por exemplo, as despesas eram de quase R$ 75 mil. “Não tem como sabermos no momento o total arrecadado, mas acredito que chegamos já em R$ 70 mil, pois anunciamos na terça-feira. Esse valor já deve ser maior e pode ajudar a quitar o hospital. Mas ainda falta o trâmite do traslado”, reforçou.

De 14 a 18 de novembro, conta no hospital onde Natacha foi internada já chegava a quase R$ 75 mil.  — Foto: Divulgação
De 14 a 18 de novembro, conta no hospital onde Natacha foi internada já chegava a quase R$ 75 mil. — Foto: Divulgação

Segundo Marta, o IML em Cochabamba está fechado e, com isso, o corpo da jovem segue no hospital. A previsão é de que a família viaje até Guajará-Mirim para buscar Natacha.

“A prefeitura (de Ariquemes) disponibilizou um carro de funerária para buscar em Guajará-Mirim. Estamos ainda tentando um voo de Cochabamba para Guayaramerín, mas ainda não se sabe se vai dar certo. Eu sei que tem muita gente nos ajudando, dando apoio. Houve loja que abriu rifa. A Natacha era muito estudiosa, sempre foi muito precoce”, disse.

Ainda não há previsão de velório e sepultamento.

Amigos e familiares precisam de ajuda para pagar os custos do hospital e fazer o traslado do corpo de Natacha para Ariquemes.  — Foto: Reprodução/Facebook
Amigos e familiares precisam de ajuda para pagar os custos do hospital e fazer o traslado do corpo de Natacha para Ariquemes. — Foto: Reprodução/Facebook



Por G1 RO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here